Exportações de Portugal para Cabo Verde crescem 21% em 2016

As exportações de Portugal para Cabo Verde somaram em 2016 mais de 258 milhões de euros, valor que traduz um aumento de 21% em relação a 2015 e coloca o país como o 24.º destino dos produtos portugueses.

Cabo Verde recebe de domingo a terça-feira uma visita de Estado do Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Em 2016 as exportações de bens de Portugal para Cabo Verde totalizaram 258,8 milhões de euros, que se traduziu num crescimento de 21% em termos homólogos e fez com que Cabo Verde tenha sido o 24.º destino das exportações portuguesas, sendo o nosso segundo cliente no contexto dos países africanos de língua portuguesa, depois de Angola”, disse à agência Lusa o delegado em Cabo Verde da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

Relativamente às importações de Cabo Verde, Jorge Salvador, adiantou que estas registaram no ano passado 11,3 milhões de euros, o que representa um crescimento homólogo de 4%.

“Portugal tem sido o principal parceiro comercial de Cabo Verde nos últimos três anos, ocupando a primeira posição como fornecedor e como cliente”, adiantou Jorge Salvador, citando dados do International Trade Centre.

O responsável da AICEP destacou o facto de em 2015, 43,5% das importações cabo-verdianas terem tido origem em Portugal e 25,3% das exportações cabo-verdianas se destinaram a Portugal.

“A relação comercial entre os dois países tem evoluído positivamente, apesar de a balança comercial ser tradicionalmente favorável a Portugal. No período 2014-2016, as exportações portuguesas de bens apresentaram um crescimento médio anual de 10%, enquanto as importações registaram um crescimento de 1%”, disse.

O grupo de produtos mais exportado por Portugal foi o das máquinas e aparelhos, seguido dos produtos agrícolas e dos produtos alimentares e o número de empresas portuguesas que exportam produtos para Cabo Verde totalizou 2.771 em 2015.

“As importações originárias de Cabo Verde são claramente mais concentradas, com o vestuário e o calçado (produtos essencialmente fabricados pelas empresas portuguesas instaladas em Cabo Verde) a liderarem o ranking, seguidos das máquinas e aparelhos”, indicou Jorge Salvador.

O delegado da AICEP sustentou ainda que “apesar da pequena dimensão da economia e de ser um mercado fragmentado por nove ilhas, Cabo Verde é um importante parceiro económico de Portugal, apresentando ainda uma margem de progressão para o comércio internacional de bens e serviços e oportunidades para o investimento das empresas portuguesas”.

Turismo, economia marítima, agroalimentar, materiais de construção, máquinas e aparelhos, energias renováveis e eficiência energética, ambiente, água e saneamento, saúde, educação e formação, tecnologias de informação e comunicação (TIC), consultoria e certificação são algumas das áreas onde existe ainda margem para crescimento das relações económicas entre os dois países.

Jorge Salvador assinalou que Cabo Verde é uma “plataforma de acesso a terceiros mercados em condições preferenciais, alargando o mercado potencial das empresas portuguesas, sobretudo na região da África Ocidental”.

Para o responsável da AICEP, o próprio Programa Estratégico de Cooperação (PEC) 2017-2021, assinado em fevereiro pelos dois países, “certamente irá gerar oportunidades de negócios para as empresas portuguesas”.

Com uma dotação indicativa no valor de 120 milhões de euros, o PEC abrange áreas onde as empresas portuguesas têm conhecimento e experiência, nomeadamente a energia, ambiente, ciência e inovação, segurança e saúde.

“Estes fatores aliados ao compromisso e esforços do governo cabo-verdiano em melhorar o ambiente de negócios do país e incentivo ao investimento privado como um dos principais motores do desenvolvimento nacional, permitem encarar o futuro de uma forma otimista”, considerou Jorge Salvador.

Lusa